Orientações nutricionais na gestação

mai 12, 2017 by     Comentários    Posted under: Artigos, Corpo e Alimentação

gestante  Durante a gestação, o estado nutricional materno desempenha um papel fundamental no desenvolvimento do bebê e na prevenção de complicações durante a gestação.

O corpo da mulher passa por uma série de transformações, que o deixarão pronto para abrigar uma nova vida. O ganho de peso, durante a gestação deve ser gradual, totalizando ao final dos 9 meses de 9 a 12,5 kg.

Nesta fase são proibidas dietas de emagrecimento, mesmo que a gestante esteja acima do peso. Porém o ganho de peso excessivo durante a gestação pode levar a sérios problemas de saúde tanto na mãe quanto no bebê, e um hábito alimentar adequado, inclusão de exercícios físicos e controle do estresse devem andar sempre juntos, com acompanhamento do nutricionista, do educador físico e do médico.

 Existe uma necessidade calórica aumentada no período gestacional, mas isso não significa que a gestante precisa comer por dois! Em cada fase da gestação, o que for ingerido pela grávida será fundamental para a formação do bebê. A mãe é a única fonte de nutrientes da criança nesse período. Existe uma necessidade maior de vitaminas e vegetais, que é preciso ser suplementado além do que é fornecido pela dieta.

 

DICAS IMPORTANTES

 

  • Fracionar a dieta em várias e pequenas refeições ao dia. Isto ajuda no fornecimento de nutrientes, melhora o processo digestivo e previne azia e má digestão;
  • Para evitar enjoos e vômitos, consuma alimentos com baixo teor de gordura, gengibre, biscoitos salgados tipo cream cracker antes de levantar pela manhã, líquidos (água, chás, sucos naturais, água de coco, isotônicos) e frutas.
  • Observe sempre o funcionamento intestino. É comum ocorrer prisão de ventre (obstipação). Consuma diariamente fibras (através das frutas, verduras, legumes, sementes, aveia, quinoa, linhaça, alimentos integrais) e hidrate-se de maneira correta (média de 2 litros de água por dia). Exercícios como caminhadas regulares.
  • Prefira sempre uma alimentação orgânica e sem conservantes.
  • Pratique exercícios, de acordo com a sua capacidade, sempre com a orientação de um educador físico.
  • Siga o guia alimentar para uma alimentação equilibrada:

Grupo dos cereais: – arroz (de preferência integral), ou trigo (macarrão) ou milho; Grupo das leguminosas: feijão, ou lentilha, ou grão de bico, ou soja;

Grupo das carnes: – dar preferência às carnes magras (bovina, aves, peixes etc..); Grupo das verduras e legumes (crus – alface, rúcula, escarola, tomate, cenoura, salsão etc.. e cozidas – brócolis, couve – flor, couve, vagem, etc..);

milkGrupo das frutas (banana, mamão, laranja, maçã, abacaxi, etc.);

Grupo do leite e derivados: – o leite deve ser tomado preferencialmente de manhã e à noite, prefira leite desnatado;

O ovo também é um ótimo alimento.

A carne vermelha (magra) é um dos alimentos mais importantes nesta fase da vida porque além de possuir muitos nutrientes é especialmente rica em ferro, que ajuda a combater a anemia.

O leite e seus derivados (iogurte, ricota, queijos brancos, etc..) são ricos em cálcio, e portanto, também devem ser ingeridos todos os dias.

 

EVITE

  • Deitar-se após comer, para evitar refluxo e mal estar.
  • Consumir comidas salgadas ou agregar muito sal à comida. Isso vale também para temperos prontos, que geralmente vêm carregados de sódio, glutamato monossódico, conservantes e afins que podem reter líquidos causando sensação de peso e mal estar, além de contribuir para o aumento da pressão arterial, o que é perigoso.
  • Não fume e evite ficar próximo de pessoas que estão fumando. O tabaco, que contém substâncias que podem ser prejudiciais ao bebê;
  • Peixes e frutos do mar crus, como ostras e sushi
  • Queijos de casca branca, como “brie” e “camembert”, e queijos com fungos, como “roquefort” e “gorgonzola”.
  • Carne bovina mal passada ou crua (como carpaccio), carne de porco malpassada e ovos crus. A precaução é para evitar infecções, através de alimento contaminado, que possam afetar o bebê e a mãe;
  • Cação, peixe-espada e tubarão, atum, que podem conter níveis perigosos de mercúrio. Outros peixes são seguros e fazem bem ao bebê e à mamãe. As recomendações quanto ao mercúrio valem também para quem está pensando em engravidar e para o período de amamentação;
    bebidas
  • Se a gestante tiver na família pessoas com alergias (a nozes, castanhas ou amendoim, por exemplo), é bom evitar esses alimentos na gravidez;
  • Bebidas alcoólica.
  • Bebidas e alimentos com cafeína (café preto, chá mate, refrigerantes à base de cola e chocolates.
  •  Muito cuidado ao alimentar-se fora de casa, principalmente com alimentos crus ou mal cozidos (frutas, verduras e legumes, ovos, carnes), pois nem sempre é possível saber se estes alimentos foram higienizados ou preparados corretamente.
  • Adoçantes que contenham sacarina. Preferir outros componentes ao escolher o adoçante, como por exemplo, sucralose
  • Como os estudos sobre o consumo de chá também não são claros, é recomendado que as gestantes evitem, principalmente no primeiro trimestre de gestação, os seguintes chás: canela, espinheira-santa, erva-cidreira e boldo.
Dra. Maurea do Rosário Franco de Almeida
CRM 23314
Ginecologia e Obstetrícia
maurea@cvitali.com.br